MUDANÇAS NO ENEM: QUAIS AS PRINCIPAIS E COMO PREPARAR OS ALUNOS?

Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é uma das avaliações mais importantes para os estudantes que desejam garantir uma vaga na universidade. Devido à pandemia do novo coronavírus e à obrigatoriedade do ensino não presencial, o Ministério da Educação (MEC) definiu algumas mudanças no Enem para o ano de 2021.

Por conta disso, é fundamental que os professores e coordenadores fiquem atentos ao novo formato para que a formação dos jovens não seja prejudicada. A proposta é que o Ensino Médio tenha uma nova organização curricular, bem como mais flexibilidade e foco na autonomia dos alunos.

Quer descobrir quais são as principais mudanças no Enem para este ano? Acompanhe a seguir!

Como as mudanças no Enem afetam o aprendizado no Ensino Médio?

Novo Ensino Médio foi pensado pelo MEC a fim de rever o modelo de formação escolar em relação à carga horária, currículo e exigências dos docentes. Com a mudança, a expectativa é que as provas do Enem categorizem os conteúdos, ou seja, o exame pode aplicar avaliações diferentes a depender do tipo de especialização escolhida pelo candidato.

Caso o jovem opte por seguir uma carreira em Matemática, por exemplo, o Enem ofertaria um caderno de provas com ênfase em números e cálculos. A mudança afetaria somente as questões de múltipla escolha, até mesmo porque o Enem não conta com questões discursivas, apenas a redação.

No entanto, independentemente das alterações, as avaliações devem sempre seguir as orientações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Isso significa que os currículos de todas as escolas devem considerar o ensino de habilidades e competências das atuais disciplinas ofertadas no Ensino Médio.

A flexibilidade nas provas possibilita que os estudantes direcionem seus conhecimentos à áreas de seu interesse e preferência, antes mesmo de ingressar na faculdade ou em algum curso técnico. Para os docentes, essa também é uma boa oportunidade para desenvolver, de forma mais aprofundada, as competências e habilidades propostas pela BNCC para as instituições escolares.

O que esperar do Enem em 2021?

Certamente, o Enem em 2021 deve acompanhar as mudanças do Novo Ensino Médio e oferecer uma proposta diferenciada aos candidatos do exame. Mesmo que as informações sobre a avaliação ainda não estejam totalmente definidas, o MEC já anunciou que haverá duas aplicações da prova em formato digital e uma aplicação normal do Enem impresso, com a mesma matriz de disciplinas.

As datas para inscrição e publicação de editais, tanto para a versão digital quanto para a versão impressa, ainda não foram oficialmente divulgadas. Mesmo assim, espera-se que o MEC siga o calendários de anos anteriores e lance os editais no primeiro semestre de 2021.

Diante das incertezas para os próximos anos, uma coisa é certa: o Enem continuará a ocorrer, mas com algumas mudanças em relação ao conteúdo e à ênfase de ensino. Veja, a seguir, outras mudanças esperadas no Enem para este ano.

Aplicação digital das provas

Tradicionalmente, o Enem sempre foi aplicado de forma presencial. No entanto, a partir de 2020, o modelo de aplicação passou por uma transformação, permitindo que os candidatos realizassem as provas no formato digital. Assim, o aluno tem a opção de resolver as questões das provas diretamente pelo computador, desde que seja em uma instituição selecionada pelo Inep.

Por enquanto, a aplicação digital será válida apenas para algumas regiões do país. O MEC espera que, a partir de 2026, todo o exame será aplicado nesse modelo. Em relação ao conteúdo, a estrutura permanecerá a mesma, sendo 4 provas objetivas, com 45 questões cada, e uma prova de redação, que deve ser digitada no computador pelo estudante.

Personalização

Outra mudança é em relação à personalização dos cadernos da avaliação, que já apresentam o nome e o número de inscrição do candidato impresso. Além de aumentar a segurança para o aluno, a medida também facilita a transcrição das respostas nos cartões.

O Inep divulgou que as provas continuarão a ser aplicadas em cadernos diferentes e identificados por cores. Isso ainda é uma forma de evitar fraudes, tendo em vista que o Enem sofreu diversas tentativas de vazamento de questões nos últimos anos.

Atendimento especializado

O atendimento personalizado é voltado para pessoas com deficiência auditiva, cegueira, surdez, baixa visão, deficiência física, deficiência intelectual, dislexia, entre outros. Gestantes, lactantes, idosos e pessoas que necessitam de cuidados hospitalares também podem solicitar atendimento especializado no exame.

As adaptações previstas podem ser no formato da prova, na duração da avaliação e no mobiliário. A solicitação do atendimento especializado é feita no período de inscrição do Enem. Para isso, é necessário informar qual a condição do candidato e qual é a sua necessidade para a realização da prova.

Versão seriada

A versão seriada do exame permite que os alunos do Ensino Médio formem uma nota a partir da pontuação das três séries, sendo utilizada como forma de ingresso na faculdade. Em 2021, os candidatos que realizarem a prova da primeira etapa já estarão concorrendo à vagas quando concluírem o Ensino Médio em 2023.

Com isso, a nota do Enem será composta pelo resultado dos três anos, tendo uma pontuação cumulativa. Mesmo assim, o Enem tradicional não deixará de existir, e o candidato terá a opção de fazer a versão seriada ou a etapa única.

Conteúdo diferenciado

Em 2021, também espera-se que ocorra diferenciação em relação à quantidade de questões por área de conhecimento, principalmente devido à reforma do Ensino Médio. Desde 2017, a BNCC define as habilidades e competências que todos os alunos devem aprender e desenvolver no período escolar.

No entanto, no exame deste ano, continua valendo a matriz curricular de referência dos conteúdos como já ocorria nos anos anteriores. Com isso, o Inep pretende democratizar ainda mais o acesso ao Ensino Superior por meio do Enem.

Documentação

Para realizar o exame, o candidato tem algumas opções de documentos para identificação no dia da aplicação da prova. Os participantes podem apresentar cédulas de identidade expedidas por instituições, como Forças Armadas, secretarias de Segurança Pública e polícias Militar e Federal. Além disso, o exame ainda aceita a Carteira de Registro Nacional Migratório e o Documento Provisório de Registro Nacional Migratório, em casos de candidatos estrangeiros.

Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e passaporte também são válidos para identificar o participante. Quem estiver impossibilitado de apresentar o documento de identificação original com foto no dia deve apresentar boletim de ocorrência expedido por órgão policial há 90 dias para conseguir realizar o exame.

Tendo em vista as mudanças no Enem em 2021, é imprescindível que os professores preparem melhor os alunos para o que está por vir. A tecnologia, nesse caso, é uma excelente aliada para os docentes, que podem aproveitar a oportunidade e oferecer uma formação digital mais aprofundada aos estudantes que desejam conquistar uma vaga no ensino superior.

Gostou do conteúdo? Aproveite a visita e veja um passo a passo para elaborar um cronograma de estudos para o Enem!

Leave a Reply

× Como posso te ajudar?